Sobre Nós | Entre em Contato | Cadastre sua Pousada/Hotel/Hostel
Transportes irregulares ameaçam a preservação da Ilha do Campeche | Destino Florianópolis
Booking.com

Transportes irregulares ameaçam a preservação da Ilha do Campeche

Publicado por Júnior Silva em: 09/01/2018 | Categoria: Curtindo Floripa

ilha do campeche

Agende seu passeio conosco:


Mais Passeios >>

Compartilhe
Share On Facebook
Share On Twitter
Share On Google Plus

As águas transparentes, de areias brancas, rodeada por gravuras inscritas entre cinco e três mil anos atrás faz da Ilha do Campeche um paraíso singular do litoral catarinense. Tombada no ano 2000 como patrimônio o lugar está entre os oito sítios arqueológicos do país inscritos no Livro de Tombo Arqueológico, Etnográfico e Paisagístico do Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional).



Os encantos do lugar atraem milhares de turistas, do mundo inteiro, mas a visitação desordenada e o aumento de embarcações comerciais que fazem o transporte irregular de pessoas para a ilha têm colocado em risco a preservação do patrimônio.

 

O Iphan, responsável pela gestão da ilha, tem buscado junto ao MPF (Ministério Público Federal), que é responsável pelo TAC (Termo de Ajuste de Conduta) que regula as condições do turismo e visitação, uma nova forma de fazer o controle de visitantes, mas têm esbarrado em questões legais já que a praia é um lugar público e em tese qualquer pessoa pode acessar locais públicos. Na temporada passada, 66 mil pessoas passaram pela Ilha do Campeche. Neste ano o numero de visitantes, segundo o Iphan, deve passar de 70 mil.

 

O TAC que regula a visitação e a preservação da Ilha do Campeche é assinado pelo Iphan, Instituto Ilha do Campeche, Associação dos Pescadores da Armação, Associação dos Pescadores do Campeche, Associação dos Barqueiros da Barra da Lagoa, Associação Couto Magalhães. E prevê que somente os signatários do acordo estão autorizados a explorar a visitação turística da ilha.

 

O estudo que embasa o acordo prevê que a capacidade máxima de suporte é de 800 pessoas diárias na alta temporada e 770 no restante do ano. Este número é dividido em cotas que cada um dos signatários tem por dia para levar visitantes. No entanto, segundo informações levantadas pela reportagem do Notícias do Dia, esse número tem sido extrapolado quase que diariamente desde a temporada passada.




Nas últimas semanas, a situação se tornou insustentável e os pescadores das associações cadastradas tentaram resolver a situação de forma isolada, impedindo que barcos comerciais irregulares aportassem na Ilha do Campeche. Diversos embates foram registrados e embarcações que venderam passeios para a ilha acabaram retornando sem que os visitantes desembarcassem no local.

 

Barcos irregulares não contribuem com taxa de preservação

 

Todos os visitantes que desembarcam na Ilha do Campeche são registrados no livro de ocorrências diário. A contagem é feita por monitores e repassada ao Iphan. Quando a cota máxima de pessoas é extrapolada por embarcações autorizadas é emito um auto de infração por descumprimento do TAC, mas quando isso acontece por conta das embarcações irregulares ou particulares nada é feito, segundo os gestores da ilha, por falta de mecanismos legais.

 

“Toda utilização de transporte irregular ao TAC contribui para a extrapolação da cota gerando um impacto negativo neste Patrimônio Nacional. O número de transportados irregularmente tornou-se mais relevante a partir de 2016, tendo sido reportado ao Ministério Público. O Iphan e o MPF têm buscado diversas instituições visando articular outras formas de regulação do transporte à Ilha”, afirmou Regina Helena Meirelles Santiago, chefe da Divisão Técnica do Iphan.

 

Veja como visitar a Ilha do Campeche em uma embarcação autorizada aqui >>



Comentários:

comments